Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

ARTHUR BISPO DO ROSÁRIO, AUTOR DE «VINTE VELEIROS»

Azul dos ventos, em exposição no Museu da Cidade de Lisboa

Integrada na programação do Ano do Brasil em Portugal, a exposição Azul dos Ventos, de Arthur Bispo do Rosário, é um evento organizado pela Câmara Municipal de Lisboa em colaboração com a Funarte/ Ministério da Cultura Brasileira e o Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea. Esta exposição pode agora ser vista em Lisboa, até 3 de Fevereiro, depois de ter estado patente no Victoria and Albert Museum, em Londres.

No Pavilhão Preto são apresentados cerca de 80 trabalhos que dão a conhecer a variedade e criatividade da obra de Arthur Bispo do Rosário (1909-1989), um dos artistas mais reconhecidos do Brasil.

As obras expostas reúnem as principais características do trabalho de Bispo do Rosário, que passou 50 anos internado no hospital psiquiátrico do Rio de Janeiro, a Colônia Juliano Moreira, e lá criou seu ateliê. Admitido no hospital aos 29 anos, as suas criações foram feitas em completo isolamento do meio artístico. No entanto, a sua arte “outsider” tem sido admirada pela sua técnica e abordagem imaginativa no trabalho com materiais com que nos deparamos diariamente.

Para além de lençóis encardidos, botões cariados, suspensórios de doutores, Bispo do Rosário usava a linha que desfiava de uniformes novos e usados de internos da Colônia Juliano Moreira para classificar, ensinar e apresentar em formas de brinquedos instrumentos musicais, arquitetura, objetos do quotidiano.
Estandartes, roupas, faixas de miss, barcos a vela, tacos de golfe, raquetes de tênis, argolas de ginástica olímpica que mostram a poética da junção de materiais descartados, bordados, consertos, sobreposições, escritas e desenhos. As obras aqui apresentadas demonstram o fascínio de Bispo do Rosário pela reapropriação de objectos que manipula para criar peças escultóricas elaboradas.


 

VEJA A PRIMEIRA GALERIA DE FOTOS DO VI CONGRESSO DA APLOP