Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




VALDEMAR COUTINHO:

A internacionalização da economia do Mar

Portugal, a sua história e economia estão indissociavelmente ligados ao mar e aos seus recursos que, desde sempre, têm estado na base da tomada de decisões estratégicas relacionadas com o reforço da segurança e soberania política e económica.

ANTÓNIO NOGUEIRA LEITE:

Ainda o desafio do Mar

A economia portuguesa enfrenta hoje um problema de viabilidade. Não apenas da sua viabilidade financeira mas, antes disso e por isso, da sua viabilidade económica, como centro competitivo de criação de riqueza. Ou seja, embora o problema orçamental seja o que domina a agenda mediática e política, o facto é que o seu agravamento está também intimamente ligado ao principal problema que temos enquanto economia e sociedade: o da incapacidade de produzir sustentadamente crescimento económico visível e equilibrado.

EU E O MAR - ANTÓNIO SALA - RADIALISTA

«O início da Europa»

Rendido aos encantos do mar, António Sala já navegou, em 15 cruzeiros, "quase todos os oceanos do mundo", afirmando por isso que Portugal "beneficia [do mar] muito mais que a maioria dos países europeus". Para António Sala, no entanto, o aproveitamento que se faz deste recurso é "insuficiente", já que a "maioria das vezes não vai além das pescas".

PEDRO REIS, PRESIDENTE DA AICEP

Um mar de oportunidades

O mar tem marés e – diz a respeitável sabedoria popular – há mais marés do que marinheiros. É uma forma simples e verdadeira de dizer que o mar tem potencialidades praticamente inesgotáveis e sustentáveis. Há assim que dar substância e sentido objectivo a esta realidade pelo reforço da economia do mar português através de uma estratégia sólida que envolva agentes económicos, decisores políticos e entidades académicas e de investigação em torno de um mesmo objetivo.

LÍDIA SEQUEIRA:

Sines é Muito Mais do que um Terminal de Contentores

Num horizonte temporal muito próximo, o Terminal XXI (Terminal de Contentores de Sines) tornou-se, subitamente, mediático. Depois de um longo período em que se apostou na impossibilidade do arranque deste terminal, passou-se para o campo oposto: o de que só ele existe em Sines.

OBSERVATÓRIO DA REVISTA «CLUSTER DO MAR»

Análise do Mercado de Transporte Marítimo (Maio-Junho de 2012)

Perante um esperado crescimento da frota de 8,3% em 2012, não se afigura optimista o cenário para os principais operadores de transporte marítimo de carga contentorizada. Com o abrandamento da procura nas principais rotas de transporte marítimo mundiais vamos novamente assistir a um sobredimensionamento da oferta face à procura.

ALMIRANTE NUNO VIEIRA MATIAS

O «Cluster» do Mar Português - A Nova Boa Esperança

O País precisa, como nunca, de se desenvolver e, para isso, o domínio do mar volta a ser o seu grande activo, tal como o foi no passado, quando, nos séculos XV e XVI, constituiu o primeiro “cluster” marítimo do mundo. Nessa altura, Portugal, colocado entre a espada de Castela e a parede do mar, tomou a opção estratégica do derrube desta, começando por usar as ferramentas do saber. Hoje, de novo entre uma espada, a da crise, e as barreiras que a nossa apatia das últimas décadas fez crescer no mar, seria desastroso não rentabilizar o principal recurso que a geografia quase arquipelágica do território português nos confere e que a lei internacional nos atribui.

JOSÉ RIBAU ESTEVES

Cluster do Mar - Aposta de Futuro

A Associação Oceano XXI gestora do Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar teve em 2011 o seu primeiro ano de atividade completa, no âmbito do compromisso formal de gestão que tem financiado pelo Programa Operacional dos Fatores de Competitividade / COMPETE.

JOÃO QUARESMA DIAS

Um Cluster Marítimo em Portugal

Com base nos estudos da FERRAMED, uma associação multi-sectorial europeia e assumindo as tendências e necessidades existentes e previsíveis entre mercados, fornecedores e consumidores, foi proposta a espinha dorsal de um corredor europeu de transporte pesado de mercadorias, ou outros, por onde circulam os fluxos físicos que realizam economia de escala.

EU E O MAR - SÃO JOSÉ CORREIA - ACTRIZ

«Quando sais da praia, leva o teu lixo contigo!»

A actriz São José Correia considera que potencializar o mar cabe tanto ao Governo, no que diz respeito ao investimento feito neste recurso "que sempre tivemos e que sempre nos foi familiar", como a todos os portugueses, que devem respeitá-lo e preservá-lo da melhor forma.
Serve-se do exemplo negativo do Oceano Pacífico, com os fundos cobertos de resíduos plásticos, para frisar que a poluição é "um problema nosso, porque usamos o Mar e não o respeitamos".

ABEL AMORIM

A ENIDH no Cluster do Mar

A Escola Superior Náutica Infante D. Henrique, ENIDH, desde há muito que assumiu o pensamento e estratégia subjacentes ao Cluster do Mar. Com efeito, ao longo dos seus quase cem anos de existência, a ENIDH tem assumido o Mar como uma vocação natural e sobretudo como uma prioridade e um desígnio. Acreditamos profundamente que a aposta na Economia do Mar constitui um dos pilares fundamentais do relançamento económico do país.

EU E O MAR - VICTOR DE SOUSA - ACTOR

No Sado «é uma festa ver passar tantos golfinhos»

Victor de Sousa cita Fernando Pessoa e o poema "Mar Português" para recordar a ligação de Portugal ao mar, um tema que confessa trazer-lhe entusiasmo. Recorda que todos os seus heróis de infância eram navegadores e que na actualidade tem como referência Jacques-Yves Cousteau, oficial da marinha francesa, que mostrou "como podemos e devemos salvar o mar".

CRISTÓVÃO SIMÃO RIBEIRO, DEPUTADO PELO PSD

É urgente debater o mar para o rentabilizar

Cristóvão Simão Ribeiro aposta no diálogo como via de revitalização do mar e da costa portugueses. No entanto, considera que "o diálogo por si só não é suficiente", pelo que se deve orientar para as políticas marítimas, para "estudos sérios, ponderados e aprofundados na matéria", de modo a melhor rentabilizar a costa "no sector industrial, piscatório e turístico".

EU E O MAR - CARLOS NOBRE (PACMAN, DOS DA WEASEL)

Não estragar o natural

Na opinião do cantor Carlos Nobre, mais conhecido por Pacman, dos Da Weasel, as praias estão a ser "comercializadas" e com esta mudança a paisagem acaba por se alterar.
Considera assim que a modernização da paisagem marítima só desfavorece as nossas praias. Para ele, a praia é especial por ser simples, quase paradisíaca, sem intervenção humana.

MANUEL PINTO DE ABREU:

«Mar pode render 60 mil milhões por ano em cobre, cobalto e níquel»

Até meio de Julho, Governo conta aprovar as linhas mestras da sua política para o sector que tem sido indicado por Cavaco como uma prioridade nacional . O secretário de Estado do Mar explica.
 

POR ALBERTO CASTANHO RIBEIRO

Competitividade, Portos e Caminho‑de‑Ferro

Continua a viver‑se no sector um complexo paradoxo: deliciamo‑nos com o discurso das potencialidades da economia do mar e este continua a ser apenas uma imensidão de água salgada, quando tínhamos e temos condições para desempenho muito diferente; dispomos da fachada portuária mais ocidental da Europa; o conjunto dos portos portugueses dispõe de capacidade substancialmente disponível (operação e infraestrutura); e dispomos de meios ferroviários (infraestrutura e operação) subutilizados.

«EXPRESSO»

Terminal de Sines suspende investimentos

Enquanto a PSA Sines não entender claramente o alcance da reorganização que o Governo vai efectuar no sector dos portos, suspende o investimento na próxima fase do Terminal XXI , refere Jorge de Almeida, assessor do grupo de Singapura que tem a concessão do terminal de contentores de Sines.
O grupo de Singapura teria de iniciar agora o investimento na expansão do cais do terminal de contentores de Sines, aumentando-o de 730 para 940 metros, o que elevaria a capacidade instalada de 1 para 14 milhões de TEUS (unidade padrão dos contentores com 20 pés de comprimento).

RUI PINTO

PSA Sines - Integrando Portugal nas principais cadeias logísticas mundiais

A possibilidade de investimento em Sines surgiu em plena época de desenvolvimento da estratégia de internacionalização do grupo PSA. Em plena década de 90 era perceptível o fenómeno da globalização, a ascensão da China como potência económica e fábrica do mundo, o crescimento acelerado da capacidade dos navios porta‑contentores e a necessidade de se construírem novos portos capazes de receber e operar estes mega‑navios.
Ao decidir avançar com a concessão de um terminal de contentores em Sines, o Estado Português soube reconhecer em primeiro lugar a necessidade do país de ter um porto capaz de o colocar no centro das principais cadeias logísticas mundiais, ao mesmo tempo que a PSA reconheceu em Sines características importantes para o desenvolvimento do projecto.

CARLOS GOUVEIA LOPES:

Porto de Setúbal: Alargar o hinterland

O mar constitui uma fonte vital de alimentos, de recursos geológicos, energéticos e até de atividades de lazer, contribuindo para o bem-estar e qualidade de vida das populações, mas também, desde tempos antigos, e mais ainda no atual mundo globalizado, representa uma das maiores redes de vias de transporte e de comunicação.

MANUEL COELHO CARVALHO:

Ferrovia é fundamental para a competitividade do Porto de Sines

O polo industrial e portuário de Sines será já, nesta data, o maior contribuinte para a economia nacional e para a sua internacionalização, assim como para o equilíbrio da Balança Comercial no nosso país, sustenta Manuel Coelho Carvalho, Presidente da Câmara Municipal de Sines, em entrevista à revista "Cluster do Mar".

Total: 237
1 2 3 [4] 5 6 7 8 9 10 11 12