Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística




Familiar de vítima do Titanic sobrevive a naufrágio do Costa Concordia

ROMA - Uma das sobreviventes do naufrágio do Costa Concordia, Valentina Capuano, é sobrinha-neta de uma das 1.513 pessoas que morreram quando o Titanic afundou, a 14 de abril de 1912. O irmão da avó de Valentina morreu no naufrágio, ocorrido há quase um século.

COSTA CONCORDIA

T-shirts com a frase «Volte a bordo, c…!» à venda em Itália

ROMA – Numa resposta rápida e bem-humorada ao diálogo entre o capitão do Costa Concordia, Francesco Schettino, e a Capitania dos Portos, os italianos começaram a vender diferentes modelos de t-shirts com a frase “Volte a bordo, c…!” (“Vada a bordo, cazzo!”, no original). Num dos sites de vendas, um modelo custa quase 13 euros.
Entre os modelos de camisetas há uma branca com os dizeres em preto na frente, e a palavra “cazzo” (palavra ofensiva em italiano, referente ao membro sexual masculino) em destaque.

ONZE MORTOS CONFIRMADOS, 18 DESAPARECIDOS

Comandante do Costa Concordia colocado em prisão domiciliária

O comandante do navio Costa Concordia, Francesco Schettino, foi colocado em prisão domiciliária, após três horas de audiência perante um juiz. Negou ter abandonado o navio quando este encalhou, adornou e começou a meter água. No desastre morreram 11 pessoas e 18 estão desaparecidas.

Ouça o telefonema polémico do comandante do Costa Concordia

Esta terça-feira foi divulgado o áudio de uma conversa telefónica entre o comandante do Costa Concordia e a Guarda Costeira italiana. Este telefonema vem revelar que o comandante abandonou o navio cedo demais e que se recusou a subir ao barco para terminar as operações de resgate.

Na gravação revelada pela agência ANSA, o primeiro contacto surge às 21h54 locais (menos uma em Lisboa), quando o cruzeiro já tinha encalhado. No entanto, Francesco Schettino diz que está tudo bem e que só há um «problema técnico».

Já às 00h32, quando algumas testemunhas garantem que o comandante já tinha abandonado o navio, ouve-se um oficial do porto a exigir ao capitão Francesco Schettino que dirigisse as operações. Pedia que lhe dissesse o número exacto de passageiros. O comandante responde «200 ou 300», mas a verdade é que o cruzeiro ainda estava cheio.

TELEFONEMA ENTRE COMANDANTE E AUTORIDADE PORTUÁRIA DE LIVORNO

Uma hora de grande tensão transcrita na íntegra

Este documento vai ficar para a História. Infelizmente pelos piores motivos. Podem adivinhar-se interrogações de espanto - de revolta? de incredulidade? - dos leitores ao desfiarem a hora inteira das gravações entre o comandante do Costa Concordia e a Autoridade Portuária de Livorno.

CRONOLOGIA

As últimas horas a bordo do Concordia

Os relatos dos passageiros, dos tripulantes e do próprio comandante confirmam que o mega-navio de cruzeiro Costa Concordia estava demasiado perto da costa, o que provocou o acidente. Relato ao minuto do que aconteceu, a partir de informações, depoimentos e citações publicadas em diferentes agências e a imprensa internacional.

CRUZEIRO FOI PRENDA DOS FILHOS

Marido salvou Nicole Servel antes de desaparecer

Uma sobrevivente francesa do naufrágio do cruzeiro «Costa Concordia» contou que foi o marido que lhe salvou a vida, já que ela ficou com o único colete salva-vidas que tinham. A mulher saltou para água e conseguiu sobreviver.
«O meu marido disse para eu saltar para a água. Abraçámo-nos, eu saltei e não o vi mais. Eu tinha colete, mas ele não. Não havia coletes suficientes e não tínhamos tempo de voltar à cabine para procurar um», explicou Nicole Servel.

DOIS SOBREVIVENTES APRESENTAM QUEIXA CONTRA A EMPRESA

Tripulação vestiu coletes antes dos passageiros

Um advogado francês, que representa dois sobreviventes do naufrágio do «Costa Concordia», anunciou que vai apresentar queixa contra a empresa proprietária do navio. Os clientes, Patrice e Tatiana Vecchi, residentes no sudeste de França, querem constituir um processo conjunto que deverá reunir uma centena de vítimas, disse o advogado, Frédéric Casanova.
A queixa, apresentada ao delegado do Ministério Público de Toulon, acusa a Costa Crociere de «não assistência a pessoa em perigo, colocação em risco da vida de terceiros, homicídio involuntário e desrespeito das regras de segurança», afirmou o advogado à agência France Presse.

DANÇARINA BRITÂNICA TRABALHAVA NO COSTA CONCORDIA COMO ASSISTENTE DE MÁGICO

Mulher estava numa caixa de magia durante naufrágio

Uma tripulante britânica sobreviveu no naufrágio do cruzeiro de turismo «Costa Concordia» dentro da caixa de um mágico. Rosalyn Rincon, de 30 anos, trabalhava no navio como assistente de mágico e na altura do acidente participava num «número» de ilusionismo, dentro de uma caixa.
A mãe da sobrevivente, noticia a BBC, contou que recebeu um telefonema da filha dizendo que o cruzeiro estava a afundar. Claire não acreditou que o que a filha lhe estava a contar poderia ser tão grave.

 

MSC Cruzeiros interessada em viagens a partir dos Açores

A MSC Cruzeiros Portugal, na voz do seu director-geral, Eduardo Cabrita, em declarações à RTP Açores, reafirmou (à semelhança do que já tinha feito em 2010) o interesse da companhia de capitais italianos em incluir Ponta Delgada nos seus roteiros desde o Mediterrâneo, nomeadamente desde as suas bases em Génova e Barcelona, onde se concentram a maior parte dos navios da sua frota na época alta.

CONSEQUÊNCIAS DO NAUFRÁGIO EM ITÁLIA

Portugueses reprogramam férias em cruzeiros

Costa Cruzeiros revela que os portugueses já estão a reprogramar as reservas após o naufrágio em Itália. Os cancelamentos serão reembolsados a 100%.
"O que se verificou já hoje [16 de Janeiro] foi o pedido de reprogramação de algumas viagens por parte de clientes que tinham reserva para um próximo cruzeiro no Costa Concordia. Neste caso, os clientes terão direito a 30% de desconto (baseado na tarifa paga na reserva do Costa Concordia) na sua próxima viagem com a Costa Cruzeiros", disse fonte oficial ao Diário Económico.
 

Titanic italiano afunda acções da Carnival

O acidente na costa da Toscânia, em Itália, este fim-de-semana com o navio Costa Concordia gerou esta segunda-feira uma forte pressão vendedora sobre os títulos da Carnival, a empresa responsável pelo cruzeiro.
Em Londres, onde as acções são negociadas, os títulos da Carnival registavam às 12:40 uma desvalorização superior a 15%, depois de já hoje terem perdido quase um quarto do seu valor.

GRANDE VARIEDADE DE LÍNGUAS TAMBÉM NÃO AJUDA EM EMERGÊNCIAS

Tamanho de navios dificulta resgate em naufrágios

O tamanho gigantesco dos navios e a procedência multinacional dos passageiros e tripulantes, que os transformam em verdadeiras Torres de Babel, complicam as operações de resgate em caso de naufrágio, como aconteceu com o cruzeiro italiano "Costa Concordia".
"O que mais chama a atenção é o tamanho do cruzeiro, quase 300 metros de extensão", enfatizou Jacques Loiseau, presidente da Afcan (Associação Francesa de Capitães de Navio), entrevistado pela AFP.

IMO CANCELA LANÇAMENTO DE PROGRAMA EVOCATIVO DO CENTENÁRIO DO TITANIC

ONU equaciona mudar regra marítima após naufrágio na Itália

Londres - A Organização Marítima Internacional (OMI/IMO) indicou eesta segunda-feira que vai tirar as lições necessárias do naufrágio do navio "Costa Concordia" frente à ilha italiana de Giglio e, em caso de necessidade, modificará a directriz de segurança para os cruzeiros, informou o secretário-geral Koji Sekimizu, num comunicado difundido em Londres.

 

COSTA CONCORDIA

Juíza argentina de 72 anos nadou para escapar de naufrágio

Buenos Aires - Uma juíza argentina de 72 anos, que chegou esta segunda-feira ao seu país, contou que conseguiu sobreviver ao naufrágio do cruzeiro Costa Concordia no mar Tirreno ao saltar do navio e nadar vários metros até a costa da ilha de Giglio (Itália).
"Não havia mais saída a não ser pular no mar. Saltei com 30 ou 40 pessoas que também ficaram sem bote salva-vidas", alegou à imprensa a magistrada Maria Inês Lona (na foto) no aeroporto internacional de Ezeiza, próximo de Buenos Aires.

COSTA CONCORDIA APROXIMOU-SE DE GIGLIO PARA HOMENAGEAR TRIPULANTE

Antonello Tievoli, protagonista involuntário da tragédia

Roma - O "Costa Concordia" aproximou-se da ilha de Giglio para homenagear o seu chefe de empregados de mesa, que nasceu no local, e um ex-comandante da companhia Costa Cruzeiro, informaram esta segunda-feira os jornais 'Corriere della Sera' e 'Il Tirreno'.
O comandante do 'Costa Concordia', Francesco Schettino, detido pelo naufrágio, decidiu fazer uma surpresa ao chefe de garçons, Antonello Tievoli, e ao ex-comandante Mario Palombo.
'Vem ver, Antonello, estamos em Giglio', teria dito o comandante ao chefe de empregados de mesa, que pensou tratar-se de uma brincadeira de Schettino, de acordo com o 'Corriere della Sera'.

COSTA CONCORDIA

Medo de uma «bomba ecológica» faz a ilha de Giglio tremer

Ilha de Giglio, Itália - Sob um céu cor de chumbo e finas gotas de chuva, os socorristas trabalhavam esta segunda-feira em torno dos destroços do Costa Concordia para encontrar desaparecidos e também evitar a explosão de uma verdadeira "bomba ecológica", numa região soberba e protegida. O navio de cruzeiro guarda, nos seus tanques, 2.380 toneladas de combustível.

COSTA CONCORDIA

Onze portugueses estavam a bordo do navio que encalhou

Pelo menos onze portugueses estavam a bordo do navio de cruzeiro que encalhou ao largo da ilha italiana da Toscânia e que provocou três mortos, 14 feridos e 70 desaparecidos. De acordo com a informação avançada pela Sic, que cita o Ministério dos Negócios Estrangeiros, um casal de portugueses ficou com ferimentos ligeiros na sequência do acidente da embarcação, onde seguiam 4.231 pessoas.

COSTA CONCORDIA

Passageiros portugueses criticam comandante

O comandante do Costa Concordia era "boémio" e foi negligente, acusaram este domingo passageiros portugueses do navio cruzeiro Costa Concórdia que naufragou sexta-feira, que criticam também a falta de apoio do Governo português.
Artur Silva afirma que o navio "estava muito perto da costa" e que quando se dá o embate do navio com uma rocha, que provocou um rombo de 50 metros no casco da embarcação, o comandante se tinha juntado às pessoas para jantar e não se encontrava na sala de controlo. "Não gostei dele desde o início", comentou. "Era um homem boémio, que queria era estar nos bares e com as raparigas", critica a esposa de Artur Silva, Maria Alice Silva, descrevendo os "horrores" que viveu na altura do acidente com "tudo a gritar e tudo a partir-se".
 

UM TEMPLO DE DIVERTIMENTO E BEM-ESTAR

Costa Concordia, um palácio flutuante

O navio de cruzeiro Costa Concordia, que naufragou sexta-feira à noite, era a jóia da coroa da empresa proprietária, que fez deste palácio flutuante, com um comprimento equivalente a três campos de futebol, um templo consagrado ao divertimento e ao bem-estar.
Como o Titanic na sua época, o Concordia acumulava superlativos. Navio almirante da frota Costa desde o seu lançamento, em 2006, obra dos estaleiros navais italianos Fincantieri, era o maior navio jamais construído no país: 290 metros de comprimento por 38 de largura.
Para manobrar e manter este gigante dos mares eram necessários não menos de 1068 tripulantes, o que o tornava numa cidade flutuante com capacidade para acolher até 3780 passageiros. Repartiam-se por 1500 cabines, 505 com varanda privada, a que se juntavam 70 luxuosas suites.
 

Total: 1107