Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Há tubarões na costa mas são inofensivos

Um novo tubarão foi avistado na semana passada ao largo de Oeiras, mas, de acordo com um especialista, estes animais são inofensivos para o Homem e vêm apenas à procura de plâncton e dos pequenos peixes de que se alimentam.

Segundo fonte da Polícia Marítima, um vídeo que circula na Internet corresponde ao avistamento de um novo tubarão em Santo Amaro de Oeiras, poucos meses depois de outro animal ter sido avistado na mesma zona.

«É um novo avistamento de um tubarão, mas este é pequenino. Não foi nada de relevante», disse, salientando que, com o aumento da temperatura da água, estes animais aproximam-se mais da costa.

De acordo com Élio Vicente, do Zoomarine, é muito habitual os tubarões aproximarem-se da costa à procura de alimentos, mas estes animais são inofensivos para os humanos.

«Acontece que as pessoas continuam com o preconceito do nome e, sendo um tubarão, é uma coisa perigosa. O cação que nós comemos nos ensopados também é um tubarão, só que as pessoas, quando pensam em tubarão, pensam sempre em perigo», afirmou.

Élio Vicente salientou que é raro o ano em que não são avistados junto à costa tubarões, animais que pertencem normalmente à espécie dos tubarões-frade, o segundo maior peixe do mundo, a seguir ao tubarão-baleia.

Pode ter 10 a 12 metros de comprimento, mas alimenta-se de pequenos peixes ou do plâncton que existe à superfície das águas.

Desta forma, «é mais fácil quem está na praia ou numa mota de água vê-los à superfície, porque estão simplesmente a alimentar-se».

«Como as temperaturas estão mais quentes, a água de baixa profundidade aquece mais, o que faz o crescimento das algas e de todos os organismos que se alimentam das algas. E é isso que os tubarões fazem: aproximam-se da costa, porque vão à procura desse alimento que está mais próximo da costa», disse, destacando que os tubarões «estão junto à costa portuguesa, na costa algarvia, na de Oeiras, de Mira e afins há milhares de anos».

Existem mais de 500 espécies diferentes de tubarões no mundo inteiro e Portugal é um dos países com maior diversidade deste peixe ao largo da costa.

No entanto, «a maior parte dos tubarões que existem ao largo de Portugal são animais de profundidade, que vêm muito poucas vezes à costa ou à superfície», e a maior parte deles alimentam-se exclusivamente de pequenos peixes ou de plâncton.

«Não fazem mal, estão no seu habitat natural e nós é que somos os invasores», considerou Élio Vicente, salientando que «nunca em Portugal existiu um único incidente com tubarões, nestes milhares de anos que os portugueses convivem com a água, nem vai existir enquanto os tubarões que cá estiverem forem estes tubarões».

fonte: Lusa/SOL