Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

SINES-MADRID E AVEIRO-SALAMANCA

Santos Pereira defende criação de duas linhas ferroviárias rápidas entre Portugal e Espanha

Álvaro Santos Pereira, ministro da Economia, esteve esta segunda-feira no programa televisivo "Prós & Contras", da RTP, onde defendeu as linhas de passageiros e mercadorias de Sines a Madrid e de Aveiro a Salamanca, aproveitando os portos aí existentes.

O ministro da Economia acrescentou que a intenção de criar duas linhas ferroviárias rápidas entre Portugal e Espanha consta do Plano Estratégico dos Transportes que vai ser apresentado esta semana, denotando uma aposta do Governo pelos portos marítimos e pelas linhas ferroviárias de bitola europeia, para o transporte de passageiros e mercadorias.

Santos Pereira acrescentou que as linhas "não podem parar em Madrid", numa alusão ao facto das ferrovias portuguesa e espanhola terem uma bitola ibérica, enquanto os restantes países têm bitola europeia, adiantando que os fundos alocados ao comboio de alta velocidade (TGV) poderão ser aplicados às futuras novas linhas, as quais serão em bitola europeia.

FONTE: CARGO