Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Conselho de Ministros aprovou o PSOEM e as linhas estratégicas para as áreas marinhas protegidas

Foi aprovado, na generalidade, o Plano de Situação de Ordenamento do Espaço Marítimo Nacional (PSOEM) para as subdivisões Continente, Madeira e Plataforma Continental Estendida.

O PSOEM é o primeiro instrumento que procede ao ordenamento do espaço marítimo nacional, considerando o mar territorial, a zona económica exclusiva e a plataforma continental até ao seu limite exterior, dando, assim, um contributo importante para a coesão nacional. É reforçada a ligação do Continente aos arquipélagos da Madeira e dos Açores, consolidando a componente geopolítica do designado Triângulo Estratégico Português, como uma centralidade marítima na bacia do Atlântico.

O PSOEM foi produzido pelo Ministério do Mar, através da DGRM, tendo como principal objetivo a introdução de mecanismos de ordenamento no Mar com vista ao desenvolvimento da economia azul.

A sua elaboração contou com o envolvimento de um vasto conjunto de stakeholders, destacando-se os organismos ambientais APA e ICNF, garantindo-se o cumprimento de todos os normativos e melhores práticas aplicáveis ao bem-estar do meio marinho e a proteção dos ecossistemas marinhos vulneráveis. Neste sentido, identifica um conjunto de áreas relevantes para a conservação da natureza, que irá permitir Portugal atingir em 2020 a meta de 14% do seu espaço marítimo coberto por uma Rede Nacional de Áreas Marinhas Protegidas (AMP’s).

O Plano permite conhecer o funcionamento dos ecossistemas marinhos do mar português e proceder à identificação de áreas potenciais para o desenvolvimento de atividades económicas, como a aquacultura e as energias renováveis, salvaguardando os usos comuns, nomeadamente a pesca, o transporte marítimo e o uso recreativo e balnear, constituindo um instrumento indispensável para o crescimento da economia azul.

Portugal passa a ser um dos primeiros países europeus a produzir o seu plano de ordenamento do mar, sendo o primeiro dos grandes estados costeiros europeus a estar dotado de um plano desta natureza.

No Conselho de Ministros de 1 de agosto foi igualmente aprovada a resolução que define as linhas de orientação estratégica e recomendações para a implementação de uma Rede Nacional de AMP’s. Nesta resolução, identificam-se as áreas marinhas com potencial valor ecológico, como base para o procedimento de criação de áreas marinhas protegidas e classificadas e elaboração dos respetivos planos de gestão.

A designação de AMP’s contribui para a afirmação de Portugal, enquanto Estado costeiro, no quadro do exercício dos seus direitos de soberania e jurisdição sobre o espaço marítimo nacional e em linha com o Acordo de implementação da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

fonte