Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

APAT faz balanço positivo da actuação do Governo

O balanço que a Associação dos Transitários de Portugal (APAT) faz à legislatura do XXI Governo, nomeadamente do Ministério do Mar, é positivo.

Em comunicado, a associação refere que “a carga contentorizada continua a aumentar e se não foram criadas novas infraestruturas, é porque havia condições de crescimento exponencial pouco exploradas”.

Contudo, avisa que “é verdade que o crescimento do volume de carga não poderá continuar a crescer indefinidamente sem investimentos”, congratulando-se com os investimentos anunciados para a generalidade dos portos portugueses, acreditando que “teremos uma fachada atlântica mais eficiente, mais eficaz e mais competente para competir com outros portos europeus”.

“Desta forma, será igualmente possível dinamizar ainda mais a economia, os transportes, a logística e os serviços”, refere.

Mas se o balanço é positivo, a APAT deixa o “recado”: “não podemos desistir de continuar a trabalhar em prol da nossa economia e do nosso país, até porque ainda estamos muito longe de alcançar o anunciado até 2026: aumentar 200% o movimento de contentores, diminuir em 20% o tráfego rodoviário de e para os portos, aumentar o tráfego fluvial de mercadorias, já para não falar dos propalados 12 mil postos de trabalho até 2030”, lê-se na nota.

Note-se que o movimento de carga nos portos do continente foi de cerca de 37,6 milhões de toneladas, entre janeiro e maio de 2019, menos 2,2% do que no período homólogo de 2018 de acordo com a AMT.

A previsão da implementação da Janela Única Logística (JUL) em todos os portos até ao fim do ano e a regulamentação do porto seco através de legislação própria, poderão igualmente dinamizar a chamada “Logística de serviços”.

No entanto, a economia do mar, focada no aspeto do transporte de mercadorias (exportações e importações), “não deverá continuar a crescer enquanto não se concretizarem investimentos nos equipamentos, nas infraestruturas, nas acessibilidades e na convergência dos interesses de todos players que intervêm no negócio”, diz a APAT, referindo que esta sustentabilidade tem de ser conseguida em três aspetos: “financeiro, social e ambiental”.

“Trabalhar hoje para termos futuro, não se compadece com anos e calendários eleitorais, mas sim com políticas de convergência e pactos de regime que permitam uma unanimidade política sobre a importância das decisões estratégicas”, salienta a APAT.

E conclui: “o nosso futuro dependerá muito daquilo que fizermos hoje, ou seja a melhor forma de fazer futuro é criá-lo. As mais recentes notícias dão conta de algum mau estar social e ambiental em alguns portos e por isso mesmo, uma vez mais, a APAT coloca-se à disposição de todas as entidades para colaborar, ajudar, mediar, intervindo, criando espaços de debate para todos os assuntos transversalmente, de forma transparente”.

fonte