Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística

Notícias

LÍDIA SEQUEIRA, PRESIDENTE DA APSS, EM ENTREVISTA À ANTENA 1:

Dragagens serão feitas por equipamento moderno e mais silencioso

Em entrevista ao Portugal em Directo da Antena 1, Lídia Sequeira, Presidente da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, esclarece que os trabalhos vão ser feitos por uma única draga.

Equipamento esse, refere Lídia Sequeira, moderno e mais silencioso, tendo como preocupação reduzir os impactos junto dos golfinhos.

A Presidente do Porto de Setúbal refere também que vão ser retirados cerca de três milhões e meio de metros cúbicos de areia, cerca de metade dos valores que associações ambientalistas têm avançado.

A responsável recusa qualquer ligação entre as dragagens e a perda de areia das praias da Arrábida e anuncia um estudo sobre esse movimento das correntes marítimas.

PARA OUVIR AQUI

Nesta entrevista, Lídia Sequeira recusa criticas sobre a toxicidade das areias no fundo do Rio Sado e diz que, nas amostras analisadas, não é verdade que esses sedimentos sejam tão perigosos como os ambientalistas dizem.

Quanto à necessidade destas obras, a presidente do Porto de Setúbal explica que as mesmas vão permitir um melhor acesso à barra, bem como o melhor cruzamento de navios, modernizando-o sob o risco de ‘ficar para trás’ [face a outros portos] caso não se realizassem as obras.

Em conversa com a jornalista Arlinda Brandão, a presidente das zonas portuárias de Setúbal e Sesimbra, refere que apesar das dragagens o rio Sado não vai ter as mesmas condições de navegabilidade do Porto de Sines, mas será para receber navios de média dimensão, dotando-o das mesmas condições do Porto de Lisboa e Leixões. Onde também vai ser possível receber navios de Cruzeiro.

Quanto às mais valias económicas, a estimativa da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, com base num estudo de viabilidade económico-financeira aponta para três mil postos de trabalho diretos em logística, associados à atividade portuária e 30 mil indiretos nos próximos 20 anos.