Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.

Janela Única Logística

Notícias

Porto de Tallinn beneficia navios a GNL

A partir de 2018, os navios que usam gás natural liquefeito (GNL) como principal combustível terão um desconto de 4% nas taxas no Porto de Tallinn, na Estónia. Esta medida surge com o objectivo de contribuir para a adopção de medidas amigas do ambiente no transporte marítimo no Mar Báltico.

“Da mesma forma que outros portos da União Europeia e da Noruega, o Porto de Tallinn estabeleceu um desconto para taxas portuárias diferenciadas do ponto de vista ambiental, com o objectivo de reduzir a poluição atmosférica e a poluição marítima através dos navios e emissões gasosas”, explicou Ellen Kaasik, Chefe de Departamento de Gestão de Qualidade e Meio Ambiente no Porto de Tallinn.

“Enquanto actualmente os cruzeiros que classificam os seus resíduos recebem um desconto na taxa de resíduos, no próximo ano, vamos introduzir um desconto nas taxas de infra-estrutura portuária para todos os navios que utilizam GNL como combustível principal”, acrescentou Kaasik.

O porto tem outras iniciativas para adoptar tecnologias mais limpas no sector de transporte marítimo, como incentivos para navios que investem em depuradores para reduzir os compostos de enxofre ou taxas adicionais nulas para deixar os resíduos gerados pelos depuradores no porto.

Além disso, o porto pretende implementar o sistema de desempenho energético do Environmental Ship Index (ESI), já referido no Jornal da Economia do Mar, e que é um índice desenvolvido pelo World Ports Climate Initiative (WPCI), um movimento internacional vocacionado para a redução da emissão de gases com efeito de estufa nos portos e que classifica o desempenho ambiental dos navios com base em factores que incluem as emissões de óxido de azoto, óxido de enxofre e dióxido de carbono, e já foi utilizado nalguns portos da UE e da Noruega.

fonte