Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Olhãopesca alerta para furtos e vandalismo no porto da cidade

A Organização de Produtores de Pescado do Algarve Olhãopesca está preocupada com a vaga de furtos e vandalismo verificada no porto de pesca da cidade desde dezembro e já alertou as autoridades.
O dirigente da Olhãopesca, António da Branca, disse à agência Lusa que “é urgente” haver vigilância no porto, que “está sem iluminação” e “sem controlo nas entradas”.

O objetivo, afirmou, é “evitar problemas de se ter armadores e pescadores a fazerem justiça pelas próprias mãos devido à ausência de atuação [das autoridades] para impedir novos casos” de vandalismo.
“Desde dezembro que vimos assistindo a roubos de peças de inox, de aparelhos elétricos e a vandalização de equipamentos de deteção de cardumes e GPS, que têm inclusivamente impedido depois os barcos de sair para a pesca. Alguém tem que fazer alguma coisa”, apelou António da Branca.

O presidente da Olhãopesca recordou que o porto está “bastante degradado”, acrescentando que já apresentou a situação à Câmara Municipal, à capitania do porto da cidade, à GNR e ao Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM).
“A única autoridade que respondeu foi a GNR, para dizer que a área em causa é da responsabilidade da Polícia Marítima”, lamentou.
A associação frisou num comunicado que há “milhares de euros de prejuízo” e os furtos ocorrem “quase diariamente”, acrescentando que “os armadores pagam, mensalmente, elevadas taxas ao Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos, entidade responsável pelo porto de Pesca de Olhão, para utilização do espaço, sem que aquele Instituto garanta a segurança dos seus bens”.
Questionado pela Lusa, o capitão do porto de Olhão, Conceição Duarte, disse que a Polícia Marítima “tem consciência do problema e da gravidade” da situação e “tem feito patrulhamento e vigilância”, mas sublinhou que “se trata de uma área de acesso reservado, que tem uma administração própria”.

“A Polícia Marítima só tem competência de policiamento nos espaços públicos. O porto é uma área com uma administração própria, onde a Polícia Marítima faz vigilância se for solicitado”, acrescentou.

O comandante Conceição Duarte alertou ainda para que os crimes em causa são “maioritariamente privados, carecem de queixa, e é necessário que as vítimas os denunciem às autoridades para que possam fazer a investigação e avançar com procedimentos judiciais”.
A Lusa tentou contactar o IPTM em Faro, mas até ao momento sem sucesso.